Interiores / 3 Julio 2014

O bom

Gerais
QuemFlorencia (cozinheira e estilista publicitária de alimentos) e Antonia (aluna do jardim de infância).
OndeParque Rodó, Montevidéu (Uruguay).
O queCasa grande, reformada.

 

Nombres por bosque

Chave
Veemência: Pintou as aberturas sem ter uma escada e sem cobrir os vidros. O perfeito é inimigo do bom*.
Desapego: Quando algo cumpre seu ciclo, ela doa ou vende. Que circule.
Exigência zero: A umidade não opaca a beleza da casa.


A casa e os objetos
Com suas mãosRestaurou móveis. Tricotou mantas. Fez luminárias. Pintou paredes e quadros.
Nunca sobramMesinhas, sofás e pratos.
FaltaIluminação noturna.
Em breveContinuar branqueando superfícies: o mezanino do quarto e o chão de madeira do escritório.
TolerânciaConvivência entre objetos selecionados e brinquedos de plástico. (Muitos desapareceram misteriosamente.)
IntolerânciaAo estilo country, mesmo que tenha usado no passado. E também estas luminárias.
A vida aí
O melhorLavar louças não é tão ruim.
O piorDepois de colocar a roupas pra lavar: pendurar, dobrar e passar.
AromasDe incenso Nag Champa e de capim santo.
Menú habitualArroz, sanduíches e saladas.
Brinde
Um tecido no meio da sala, livros que completam móveis, ganchos que sustentam lâminas.
Estantes curtinhas com madeiras.
Uma figueira quase árvore de interior.

* Voltaire 😉

Fotos: María Tórtora
Ilustración: Bosque