Interiores / 9 mayo 2014

Onde entra um, entram cem

Gerais
QuemLuisa (34), artista plástica. Fernando (40), advogado. Quinto (6), Rosa (4), Flora (6 meses). E Teli (25).
OndeRecoleta, Cidade de Buenos Aires.
O queApartamento na esquina de um edifício de 1930.
Há quantoSe mudaram há seis anos, quando o Quinto nasceu.

Chave
Por essas paredes rola de tudo: produção própria e coleções se mantêm sempre em movimento sem dramas de furar paredes, graças ás estantes que puseram quando chegaram. Até cadeiras eles penduram.
A casa e os objetos
O que faltaEspaço: estão mais no processo de tirar coisas que de incorporar.
Intolerância Não querem mais antiguidades. Já era.
E com arte não tem negociação: se não gostam, não penduram.
Lo próximoVão colocar papel de parede no teto do corredor com pássaros negros e tenebrosos, para correr com medo todas as vezes que vão ao banheiro.
A transportariamPra selva.
Salvaríam Flora: uma corda e uma espada.
Quinto: soldadinhos de plástico.
Luisa: o quadro do seu professor de pintura.
A vida aí
O melhorEla gosta de lavar, pendurar roupas e varrer. As crianças gostam de arrumar!
O piorManter em ordem diariamente.
AromaDe comida e de tinta.
Especialidade culináriaO prato vedette é o risoto do Fernando. O que mais rola são massas com variedade de molhos.
Som atualMagdalena Fleitas e Anda Calabaza
RelaÇoes
PlantasPor razões de força maior (calefação, não-varanda, pouca luz) não existe relação.
MascotasTeli encontrou novos donos para Fachero Rockero, o canário campeão de canto há alguns dias. Não o aguentavam mais.
Brindes
As mudanças na casa tendem a ser reflexivas e lentas, menos quando se trata de arte. Compram, emolduram, penduram e pronto.
Espaço sempre tem. E se não, eles inventam.

>

Fotos: María Tórtora e Catalina Romero