Interiores / 8 mayo 2013

Olhos bem abertos

Gerais
QuemGuadalupe (30) e Alberto (28). Advogada e engenheiro.
OndeEm Belgrano (Buenos Aires), perto do Bairro Chinês.
O queCasa reciclada.
Há quantoHá um ano.

A CASA E OS OBJETOS
ÉxitoTudo o que fizeram na casa eles aprenderam na prática. Sentem um “orgulho quase piegas” dos resultados.
Com suas mãosJuntaram um bom lote de ferramentas e descobriram o vício de reciclar móveis.
É difícilEncontrar artefatos de iluminação que eles gostem e que possam pagar.
SalvariamEla, o liquidificador que foi da sua avó. Ele, a luminária turquesa (“arturito”): foi o seu primeiro projeto de eletricidade que teve êxito.
TolerânciaPatrocinado pela Guada, a cor fúcsia avançaria sobre a cozinha. Alberto percebeu e baixou o polegar. Agora que o tempo passou, ambos opinam que foi melhor assim.
IntolerânciaNunca teriam estas coisas terríveis.
A transportariamA algum terreninho no Valle do Río Chubut.
A vida aí
É o melhorEla gosta de passar roupa e ele ama passar o aspirador de pó.
É o piorLimpar os vidros do corredor. Por isso não o fazem com frequência.
Especialidade culináriaFrango agridoce com molho de milho. E variedades de sanduíches.
Limpeza geralNa semana: 5 — Fim de semana: 8
Por qué
As malas são mesas, as gavetas do guarda roupas servem de apoio para de baixo da pia da cozinha, o ficheiro armazena a roupa, um guarda sol eleva os pontos de uma luminária comum, um mega guarda roupas antigo funciona como estante de livros e de móvel para apoiar a TV.

Porque encontrar novas funções ás coisas, além das pré-estabelecidas, faz a diferença sempre. Mesmo com um estilo clássico e sóbrio.

Fotos: María Tórtora y Lucía Luna Crook